Posts com a Tag ‘Sexualidade’

Comemoração dos 8 anos da Cidadania Feminina

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Neste sábado (15) a Cidadania Feminina estará em festa. Para marcar mais um ano de vida a ONG realiza um debate junto à comunidade sobre os direitos humanos das trabalhadoras domésticas, com a participação do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas, e para fechar a noite uma apresentação musical. O evento começa às 19h.

As comemorações não param, durante a semana a equipe da Rádio Comunitária da Cidadania Feminina apresenta uma programação especial, com uma hora de duração, irá abordar as bandeiras de lutas que a ONG vêm trabalhando nestes 8 anos de sua fundação.

História - A Cidadania Feminina atua na comunidade do Córrego do Euclides, no Recife. A entidade iniciou suas atividades com reuniões nos quintais das casas da localidade, estratégia para chegar mais perto das mulheres e discutir temas do cotidiano feminino. Atualmente, a organização tem como objetivos principais o enfrentamento da violência e a valorização da identidade racial. Além dessas atividades, desenvolve ações voltadas para a alfabetização, possui uma biblioteca que beneficia também às crianças e adolescentes, projetos voltados para a autonomia econômica das mulheres (uma cooperativa para a produção e comercialização de alimentos), oficinas sobre direitos humanos e de fala pública feminina.

50 anos da pílula anticoncepcional é tema de debate nesta terça-feira

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Nesta terça-feira (04) a Cidadania Feminina realiza uma roda de diálogo sobre os 50 anos da pílula anticoncepcional, a partir das 15h, na sede da instituição. Para contribuir com a discussão a Cidadania recebe a Secretária Especial da Mulher da Prefeitura do Recife, Rejane Pereira, e uma representante do Fórum de Mulheres de Pernambuco.

Os pesquisadores que desenvolveram o medicamento buscavam um anticoncepcional seguro, barato e que pudesse ser engolido facilmente. Com certeza não imaginavam o sucesso que a pílula alcançaria. Hoje, o comprimido que permitiu à mulher decidir quando engravidar e causou uma revolução nos costumes sociais e sexuais da época é um método contraceptivo usado por cerca de 100 milhões de mulheres ao redor do mundo. Em 1960 a taxa nacional era de 6 filhos por mulher, e hoje chega a 2 filhos.

Apesar das cinco décadas de existência, os desafios ainda são muitos, é comum existirem dúvidas sobre o uso correto do contraceptivo. Para o movimento feminista está é uma bandeira que ainda enfrenta grandes obstáculos, e que envolve os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres.

História - A primeira marca de pílula anticoncepcional, batizada de Enovid, ganhou as prateleiras das farmácias americanas em 1957, mas com uma função bem mais prosaica do que evitar a gravidez: era vendida como um regulador da menstruação. Antes que a farmacêutica Searle & Company obtivesse a aprovação das autoridades de saúde para comercializar o Enovid como contraceptivo – o que só ocorreu em maio de 1960 – cerca de 500 mil americanas já faziam uso do medicamento, certamente cientes de suas propriedades anticoncepcionais.

Primeiro Encontro sobre Literatura Lésbica de Pernambuco

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Hoje, dia 17 de setembro, a Editora Malagueta e a Livraria Cultura irão realizar o Primeiro Encontro sobre Literatura Lésbica de Pernambuco. O encontro faz parte da programação que antecede a 8ª Parada da Diversidade de Recife, que será dia 20 de setembro, na praia de Boa Viagem.

Estarão presentes no evento Renata Pimentel, professora de literatura das faculdades Fafire e Facho de Recife; Elisa Nóbrega, professora de história da Universidade Estadual da Paraíba com uma pesquisa super original sobre homofobia na literatura, no cinema e nas novelas; Karina Dias, uma autora carioca para lá de simpática, a próxima a ser publicada pela Malagueta; e Laura Bacellar, editora da pimenta literária. Nele também acontecerá o lançamento do livro Shangrilá, da recifense Marina Porteclis, que aborda questões como o preconceito, a família e a coragem de uma mulher homossexual ser quem ela é. A obra conta a vida de Mariana Villa-Real, moça valente e decidida da zona da mata alagoana que se envolve em um relacionamento amoroso com outra mulher e procura viver de forma íntegra e assumir com honestidade os sentimentos.

Confira o vídeo:

[youtube 0HRI8s4aZ0w]

Agenda Lilás – Setembro 2009

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Projeto Apitaço – Mulheres enfrentando a Violência
Na próxima quarta-feira (16), 25 mulheres da UR-1o participarão da oficina Fala Pública da Mulher – Comunicação e Expressão a fim de aprimorar seu desempenho nos meios de comunicação. Também está agendada uma visita à Delegacia da Mulher de Recife na terça, dia 22, e a realização do Apitaço no dia seguinte, marcando o encerramento das atividades.

Vídeo sobre o Ponto de Mídia Livre
A primeira filmagem para elaboração do vídeo sobre a implementação do Ponto de Mídia Livre acontecerá no dia 23.09. e será produzido pela Mídia Lunar em parceria com o Ventilador Cultural.

Oficina de Intercâmbio Pedagogia Feminista e Fortalecimento do Movimento de Mulheres
Entre os dias 14 e 16.09, Rejane Pereira e Karla Galdino representarão a Cidadania Feminina na Oficina de Intercâmbio Pedagogia Feminista e Fortalecimento do Movimento de Mulheres, promovida pelo SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia. Esta ação integra o processo de Articulação do Campo da Educação Popular Feminista no Brasil. Clique aqui para saber mais.

Parada da Diversidade 2009
A Parada da Diversidade de Recife está marcada para este domingo, dia 20.09. O evento acontecerá na Praia de Boa Viagem e contará com o apoio e a participação das integrantes da Cidadania Feminina na luta contra a lesbofobia e homofobia.

Mulheres discutem direitos sexuais em Recife

sábado, 15 de agosto de 2009

O Ponto de Mídia Livre Cidadania Feminina promoveu nos dias 13 e 14 de agosto, o Curso Mídia Advocacy de Direitos Sexuais para mulheres lésbicas. A ação ocorreu na Madalena, das 9h às 17h, em parceria com o Fórum de Mulheres de Pernambuco.

Estava em debate, a liberdade de orientação sexual, direitos humanos, as relações de gênero e a importância da liderança feminina. A proposta conta, ainda, com um treinamento de mídia para as participantes, empoderando as mulheres e fortalecendo a sua fala pública. O projeto também tem o apoio do Ministério da Cultura e Ashoka Empreendedores Sociais.