Arquivo de maio de 2010

Mulheres do Córrego do Euclides tem “Tarde de Lazer” na Cidadania.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A Casa da Mulher do Nordeste, em parceria com a Cidadania Feminina, estará realizando na próxima sexta-feira (28), com mulheres cadastradas no “Projeto Mulheres Organizadas para o Desenvolvimento Local”, uma Tarde de Lazer. O encontro acontece na sede da Cidadania Feminina.

A programação conta com atividades sócio-educativas, dinâmicas, vídeos, sorteios de brindes, lanche coletivo e novas inscrições. Neste sentido, cada mulher cadastrada no projeto poderá convidar mais uma companheira para participar do projeto.

O projeto tem como objetivo realizar um conjunto de ações voltado para uma melhor qualidade de vida da comunidade, através do fortalecimento da auto organização das mulheres.  Busca alternativas de superação das dificuldades e garantia do acesso aos direitos básicos.

Serviço:

Data: 28 de maio de 2010

Horário: das 14h às 17h

Local: na sede da Cidadania Feminina – Rua Amoz, 120 – Córrego do Euclides – Recife-PE

Informações: 34260212 | 96810593 – Casa da Mulher do Nordeste.

Ato público marca o Dia de combate à Mortalidade Materna

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Nesta quinta (27) e sexta-feira (28), integrantes do movimento de mulheres de Pernambuco realizarão atos públicos para reivindicar políticas e ações de enfrentamento à mortalidade materna. Nesta quinta-feira, a ação será na Assembleia Legislativa de Pernambuco, às 9h. O objetivo é protestar e alertar a população e os deputados sobre as mudanças no Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH3), a aprovação do Estatuto do Nascituro e a instalação da CPI do aborto, medidas que impactam em uma das principais causas de morte materna no Brasil e em Pernambuco, o aborto inseguro.

Durante o ato, os deputados receberão um documento solicitando a implementação de ações que visem a melhoria da assistência médica para as mulheres. Na sexta, o ato será em Vitória de Santo Antão, onde as mulheres denunciam a falta de qualidade na assistência obstétrica.

As ações fazem parte das atividades do Dia Mundial da Saúde da Mulher e de Combate à Mortalidade Materna (28 de maio), e são impulsionadas pelo Fórum de Mulheres de Pernambuco, com apoio das Jornadas Brasileiras pelo Direito ao Aborto Legal e Seguro e Articulação de Mulheres Brasileiras (AMB). “Nós queremos que os deputados se comprometam a implementar medidas que garantam os direitos das mulheres para que possamos barrar essas ameaças à democracia e à cidadania. Além disso, também iremos alertar a população sobre os projetos que estão tramitando nas comissões do Congresso Nacional e a implicação desses na vida de nós mulheres”, ressalta a coordenadora do Fórum, Janaiky Pereira.

Na sexta-feira (28), às 14h, haverá passeata em frente a Câmara de Vereadores de Vitória de Santo Antão. A ONG Cidadania Feminina também estará participando da passeata. As mulheres desse município reclamam da falta de assistência médica para mulheres durante o pré-natal e na hora do parto. A cidade realiza mais de 10 mil partos por ano, estando atrás apenas do Recife. No entanto, a taxa de cesáreas (73%) está muito acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. Além disso, 98% dos atendimentos, segundo dados do Comitê Estadual de Estudos da Mortalidade Materna, acontecem nos 60 leitos de clínicas conveniadas, enquanto que o Hospital João Murilo está atendendo abaixo da sua capacidade. Superlotação e baixa qualidade do atendimento às gestantes são relatados com frequência.

Objetivo de Desenvolvimento do Milênio – O Brasil tem até 2015 para reduzir em 75% o número de mortes maternas no país, no entanto, o acordo internacional mediado pela Organização das Nações Unidas e intitulado Objetivos de Desenvolvimento do Milênio terá dificuldades em ser concretizado. Segundo o Ministério da Saúde, o número de mortes maternas caiu 50% entre 2000 e 2007, mas as taxas continuam altas no Norte e Nordeste. Em Pernambuco, Maranhão, Piauí, Alagoas, Paraíba e Bahia os índices cresceram.

Mulheres da Cidadania denunciam a falta de atendimento no Posto de Saúde da comunidade

terça-feira, 25 de maio de 2010

Hoje (25), o grupo de idosas e de mulheres da Cidadania Feminina estarão reunidas com representantes da Secretaria Municipal de Sáude e do Distrito Sanitário III para denunciarem a falta de atendimento no Posto de Saúde na comunidade do Córrego do Euclides.

Há um mês o posto de saúde sofre com a falta de água que abrange vários bairros da Zona Norte, o que dificulta o atendimento para as idosas  e também para as mulheres. De acordo com a população, o posto só atende casos de emergência, e a causa é a falta de água. Essas e outras questões serão colocadas  hoje, às 15h, aos representantes governamentais a espera de uma solução.

Comemoração dos 8 anos da Cidadania Feminina

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Neste sábado (15) a Cidadania Feminina estará em festa. Para marcar mais um ano de vida a ONG realiza um debate junto à comunidade sobre os direitos humanos das trabalhadoras domésticas, com a participação do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas, e para fechar a noite uma apresentação musical. O evento começa às 19h.

As comemorações não param, durante a semana a equipe da Rádio Comunitária da Cidadania Feminina apresenta uma programação especial, com uma hora de duração, irá abordar as bandeiras de lutas que a ONG vêm trabalhando nestes 8 anos de sua fundação.

História - A Cidadania Feminina atua na comunidade do Córrego do Euclides, no Recife. A entidade iniciou suas atividades com reuniões nos quintais das casas da localidade, estratégia para chegar mais perto das mulheres e discutir temas do cotidiano feminino. Atualmente, a organização tem como objetivos principais o enfrentamento da violência e a valorização da identidade racial. Além dessas atividades, desenvolve ações voltadas para a alfabetização, possui uma biblioteca que beneficia também às crianças e adolescentes, projetos voltados para a autonomia econômica das mulheres (uma cooperativa para a produção e comercialização de alimentos), oficinas sobre direitos humanos e de fala pública feminina.

Fórum de Mulheres faz Vigília no julgamento do Caso Maristela Just

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Um dos casos emblemáticos de impunidade de violência contra a mulher em Pernambuco, após 21 anos, poderá ter fim com a efetivação da justiça. Amanhã, dia 13 de maio, às 9h no Fórum de Jaboatão dos Guararapes, acontece o julgamento do comerciante José Ramos Lopes Neto, que assassinou sua esposa, Maristela Ferreira Just.

Militantes e familiares de Maristela estarão durante todo o julgamento com cartazes e faixas exigindo justiça. Em carta aberta do Fórum de Mulheres sobre o caso, as militantes chamam atenção para o sentimento de insegurança vivenciado pelas mulheres frente a impunidade para criminosos nos casos de violência contra a mulher. “Esperamos que a justiça do estado de Pernambuco não continue sendo omissa, tendo em vista que o processo tramita há 21 anos, trazendo o risco de que a Justiça não se realize pela prescrição do crime, e que não tenhamos que apelar para cortes internacionais no sentido de vermos a efetiva aplicação das normas, cumprindo com o que a sociedade e as mulheres, especificamente, esperam que é, a condenação do assassino, mesmo que tardia.”, diz a carta.

Esse foi um dos primeiros casos de violência contra a mulher discutidos no âmbito do Fórum, junto ao caso de Kátia Camarotti. Na época o movimento de mulheres foi às ruas pedir a condenação de Ramos e, diante das circunstâncias do crime, assim como toda a sociedade pernambucana, se esperava que o assassino confesso, fosse julgado e condenado. Mas não houve julgamento e muito menos condenação.

Ramos estava separado da mulher, a universitária Maristela Ferreira Just, mas não se conformava com a situação. No dia 4 de abril de 1989, ele se trancou com a mulher e os filhos num dos quartos da casa do sogro, em Piedade, e deu três tiros em Maristela, um tiro na cabeça do filho, então com 2 anos, outro no ombro da filha, de 3 anos, e ainda deixou baleado o cunhado Ulisses Ferreira Just, quando ele tentava socorrer a irmã e os sobrinhos. Depois de anos de fisioterapia, a filha, conseguiu se recuperar totalmente e é ela que impulsiona as ações para este julgamento. O garoto ainda freqüenta sessões de fisioterapia para tentar reativar o movimento do braço esquerdo que ficou inutilizado após o disparo.

Este é mais um caso de impunidade que nos deparamos cotidianamente no que se refere a violência contra as mulheres. É um fato indignante e portanto, o Fórum de Mulheres de Pernambuco esteve e estará presente exigindo Justiça.